Resenha: Yaqui Delgado Quer Quebrar a Sua Cara - Meg Medina

27 de set de 2015
    Quando vi pela primeira vez a capa desse livro e o título, pensei: preciso lê-lo. Achei interessante e pensei que seria divertido e hilário. Mas depois de um tempo, quando fui ler a sinopse, fiquei com um pé atrás. Não queria ler uma nova história de bullying. O assunto já está bem manjado e as pessoas banalizam há muito tempo. E sempre segue a mesma linha: a pessoa sofre bullying e ela geralmente não conta a ninguém. O que sempre me irrita, porque muitas vezes, em minha frieza e insensibilidade não me coloco no lugar do outro e penso sobre que às vezes as pessoas que sofrem bullying não sabem como contar a alguém ou têm medo de se defender ou falar, são impotentes a agressores. Mas por algum motivo eu quis ler assim mesmo. Quis dar uma chance.


      O livro já inicia com a ameaça: Yaqui Delgado quer quebrar a sua cara. Piddy é uma garota latina, que depois de algumas aulas de dança com sua tia Lila, adquiriu um rebolado e sua bunda fica um tanto avantajada. E esse, aparentemente, é o real motivo de Yaqui querer quebra-la. Pensando bem, acho que faz mais sentindo agora, a partir do título original: Yaqui Delgado want kick your ass.

Darlene ajeita os óculos e me conta a história toda:— Yaqui Delgado odeia você. Diz que você se acha demais para quem acabou de chegar. E quer saber quem você pensa que é para sair por aí rebolando desse jeito.

       A esse alerta de terror Piddy se pega encurralada, sem saber o que fazer a respeito. De repente os dias passam e o medo cresce sem precedentes, ela tenta descobrir porque alguém quereria quebrar a sua cara, visto que só está no DJ(o nome da escola) há pouco tempo. Darlene, sua colega, avisa que ela precisa tentar caminhar direito e não mexer demais a bunda para não chamar a atenção e não irritar Yaqui. Piddy não está acostumada com ameaças. Era querida na outra escola, sempre andou na linha e não chamava atenção e nunca arrumou briga. Clara, mãe de Piddy, trabalha muito, mas exige da filha, não quer que ela se torne uma chusma.

       Piddy não sabe o que fazer com a ameaça e faz de tudo para burlar encontros com Yaqui nos corredores. Mas no fim será o suficiente? Ela precisará bater de frente com sua bully?!

     Achei bastante interessante que o livro mostrou com precisão a vida de alguns latinos no USA.  Toda aquela história de fofoca entre as mulheres no salão de beleza é tão recorrente, as mães batalhadoras que trabalham em turnos horríveis e que fazem de tudo, se esforçam até as tripas para que seus filhos não tenham o mesmo destino. A cultura foi bem evidenciada como quando Lila fica assistindo novelas a tarde e vendendo Avon.

       Houve partes engraçadas e divertidas na história. Clara fazendo escândalo no início foi bem interessante. Mas uma das coisas que me chocou muito nesse livro foi a vida precária dos pais de Joey, amigo de Piddy. É simplesmente uma verdade recorrente na vida de algumas pessoas. Piddy estava vivendo a mesma coisa, ela não abria a boca e dizia o que de ruim estava acontecendo, as perseguições e ameaças.

      Acho que sempre fui um tanto insensível com histórias sobre bullying, e o pé atrás para ler esta obra foi por isso, eu acho. Mas fiquei feliz de ler este livro, abriu os meus olhos de uma forma que me deixou em lágrimas. A cada página virada eu me lembrei das vezes que apanhei na escola por motivo algum, das vezes que voltava com hematomas e manchas roxas no corpo. Minha mãe perguntava e eu não sabia responder, afinal de contas eu era pequena, tinha só cinco a seis anos. Não entendia bem porque apanhava, eu só apanhava! 

     Na minha época não existia a palavra bullying, eu só sabia que me batiam e me xingavam. Muitas vezes fiquei com medo de encontrar o menino na escola.  Lembro com perfeita clareza que quando ele faltava eu suspirava feliz de alívio. Mas na época eu meio que chorava e dizia quem tinha me batido, algumas vezes não fiquei calada. Essa foi a diferença. Minha mãe sabia quem me machucava e resolveu o problema com sabedoria e paciência.

      O livro foi uma surpresa boa para mim. A escrita da Meg é simples, mas tocante. Um retrato singelo da vida de imigrantes cubanos no Queens e de uma jovem que precisa encontrar sua voz e dizer algo para que sua vida não seja arruinada. Então é isso, people. Nada de Bullying.
O que acharam, gente? Quem já leu ou vai ler a obra da Meg?

Nota: 4/5 

31 comentários:

  1. Acho que essa foi a resenha mais sincera que li sobre esse livro. Parabéns!
    Eu também sofria bullying na escola por ser gordinha. Apesar de eu sempre contar para minha mãe, eu batia nos meninos que ficavam me apelidando. Não adianta muito mas pelo menos passava um pouco da raiva.
    Eu realmente não queria ler esse livro mas, sua resenha me deixou muito muito muito curiosa agora.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helloo, Luiza!
      Obrigada pelo carinho. Que fofo.
      Eu também contava a minha mãe, mais ou menos. Eu reclamava de alguma dor e ela ia ver o que era e eu acabava contando.
      Que legal que minha resenha te deixou curiosa!! *-*
      Beijin...

      Excluir
  2. Ainda não conhecia esse livro, essa é a primeira resenha que vejo dele, eu concordo que ultimamente tem aparecido muitos livros sobre esse tema, e mesmo sendo algo importante, acaba ficando repetitivo, eu também sofri muito bullying na escola, acho que poucas pessoas escapam disso.

    Mil beijocas
    ⋙ ♥ Blog Livros com café
    participe do concurso que está rolando lá no blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helloo, Pepi!
      Fica cansativo mesmo um monte de livro sobre o mesmo tema.
      É verdade, poucas pessoas escapam do bullying!!
      Beijin...

      Excluir
  3. Olá,
    Parabéns pela ótima resenha: Extremamente sincera e real. Adorei!
    Bullying é a realidade de um número enorme de pessoas hoje em dia. É difícil você encontrar uma pessoa que não passou por isso pelo menos em algum momentinho da sua vida. Fico feliz pelo problema ser resolvido, muitas pessoas não conseguem resolvê-lo. Eu li uma resenha num outro blog no fim de semana e já tinha ficado com vontade de ler, agora a minha vontade aumentou.
    Beijos! - Blog Historiar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helloo, Thamiris!
      Muito obrigada! Que legal que gostou, fico muito feliz.
      Que bom que tua vontade aumentou para ler o livro. É muito bom e engraçado em algumas partes apesar de tudo!
      Beijin...

      Excluir
  4. Oii Alana!
    Acho que nunca sofri bulliyng ou se sofri nunca percebi (sou meio lesada pra essas coisas), mas o começo da história me lembrou uma vez quando troquei de escola na 7ª série (depois de ter passado quase minha vida vida inteira na escola passada) e uma menina, um pouco parecida com Yaqui, me disse que ia me bater porque o namorado dela estava olhando pra mim - como se fosse minha culpa '¬¬ - eu só fiquei, tipo: ãn?!, mas não dei bola e no fim não deu em nada, a gente até virou amigas, kkk.
    Mas voltando ao assunto, nós estranhamos muito ao ler esses livros que tem temática de bullying porque não entendemos o porque deles não falarem com os pais, professores e etc e resolver isso, porém a gente tem que lembrar que se trata de outra cultura. Lá eles prezam muito essa questão da independência e resolver seus próprios problemas sem falar que o bulliyng é muito mais forte lá do que aqui. Quando comecei a ler esses livros, também ficava nessa mesma dúvida, mas hoje comecei a compreender melhor :)
    Fiquei até com vontade de ler <3 como sempre a resenha está maravilhosa ♥
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helloo, Dani!
      Não sei como é isso de ter o namorado de alguém olhando para mim. Eu apanhava por outros motivos que até hoje não sei. É verdade, eu fico sempre irritada porque eles não falam e só ficam se dando mal o tempo todo e vira um ciclo vicioso que me deixa agoniada!
      Sei que lá o bullying é mais forte e fico chateada com isso.
      Fico feliz que tenha gostado da resenha!! *-*
      Beijin...

      Excluir
  5. Os livros da Íntriseca tendem a serem muitos bons. Confesso que eu tinha um certo preconceito com livros teens, até conhecer John Green. Fiquei curioso!
    diaeletosecoisasboas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Essa resenha ficou maravilhosa, só me fez ter mais vontade de ler o livro. Tenho ele aqui faz algum tempo, mas me falta tempo para poder lê - lo. Vou ver se arrumo um jeito de ler, pois o livro parece ser maravilhoso!

    Beijos,

    http://sweetlikecaramel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helloo, Nazare!
      Arruma sim um tempo para ler. O livro é muito bom!!
      Beijin...

      Excluir
  7. Oi, Alana! Tudo bem?

    É muito bom quando um livro quebra um paradigma que constrói ou quando nos deparamos por estar banalizado, como foi sua visão.
    Achei super incrível sua resenha e o que o livro trouxe de útil para ti.

    Me inscrevi em seu blog e convido-lhe para seguir o nosso blog
    Irmãos Livreiros também. Ficarei super feliz! :)

    Beijos!
    Danny

    Irmãos Livreiros

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Adorei sua resenha, muito sincera! Ao contrário do você, não me interessei pela capa, mas sim pela sua resenha! Acho que é sempre prazeroso ler um livro que abra nossos olhos para algum problema social.
    Beijos!
    http://apenasumaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helloo, Mariana! (xará de segundo nome ahah)
      Que bom que se interessou por causa da resenha! Tenho esse problema de olhar a capa primeiro. Esse livro definitivamente me tocou em relação a esse problema!!
      Beijin...

      Excluir
  9. Oi, Alana! Tudo bem? Eu tenho bastante interesse em ler esse livro. Gosto da premissa dele e ler sua resenha que ficou tão bacana e pessoal só me fez ficar ainda mais interessado para ler "Yaqui Delgado Quer Quebrar Sua Cara"! Parabéns pela resenha! *-*

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lucas! Eu gosto muito desse título. Acho que esse é o título mais interessante e que me marcou até hoje. Fico falando toda hora: Yaqui Delgado Quer Quebrar a Sua Cara! Ficou bem pessoal, sim. Não consegui evitar de falar sobre o que o livro me fez lembrar!
      Beijin...

      Excluir
  10. Olá, Alana.
    Eu estou lendo um livro com esse tema e gostando bastante. Mas diferente de você, eu gosto do tema. Acho que quanto mais escreverem sobre o assunto, mais as pessoas vão saber se defender. Ainda não conhecia o livro apresentado, mas achei a capa muito bonita e o nome chamou a minha atenção também hehe. Deixei anotado quem sabe eu leia.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil.
      Pois é, ás vezes fico saturada com um certo tema, mas ainda bem que gostei.
      O nome me chamou muito a atenção também!
      Beijin...

      Excluir
  11. Ooi, tudo bom??

    Nos últimos tempos li tantos livros sobre bullying que acabei ficando saturada desse tema, mas fiquei bem curiosa porque além do bullying também mostra a vida da família, do amigo e dos latinos. Adorei a resenha e essa capa é linda *-*
    Beijoos,
    Sétima Onda Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também fico saturada às vezes.
      Ah, Mandy! Que legal.
      Obrigada. Achei a capa bem interessante mesmo!
      Beijin...

      Excluir
  12. Olá! Reagi do mesmo jeito que vc! hahaha Quando li o título achei super interessante, mas sabendo que é uma história de bullying fiquei com o pé atrás. Mas que bom que o livro foi uma surpresa boa, gostei da resenha, parece uma história bem tocante.
    Beijo!
    http://booksmanybooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helloo, Patrícia!
      É uma história interessante sim.
      Beijin...

      Excluir
  13. Confesso que tenho uma queda pra ler esse livro mas ainda não achei o momento certo. É uma história que, a pesar dos pesares, aparenta ser "divertida" e prender a atenção do leitor. Gostei bastante de sua resenha. Primeira visita aqui no blog! :)

    Visite: Cantina do Livro

    ResponderExcluir
  14. Oi
    Que bom que apesar do receio de ler você gostou bastante da leitura
    eu to curiosa para ler desdo lançamento, mais ainda nem tive chance, mais parece tocante
    e se você chegou a derramar lagrimas deve ser tocante mesmo.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denise! O livro é tocante mesmo. Eu gostei demais.

      Excluir
  15. Olá Alana, tudo bem contigo ???
    Sabe, já me encontrei muito com esse livro. Sempre me deparo com ele nas livrarias, mas confesso que apesar de ter vontade e uma certa curiosidade com relação a história, eu não sei se leria esse livro, pelo menos, não em um futuro próximo.
    Não é que eu tenha alguma coisa contra o livro, ou que não goste do tema. O que me incomoda é a forma como muitos livros abordam o tema do bullying. Acredito que muitas vezes os autores buscam estratégias erradas para abordar esse tema tão complexo e delicado, e sempre me decepciono quando vejo que alguns livros não foram tudo aquilo que poderiam ser. Gostaria de ver mais dessas histórias, e acho que por isso fui largando os livros que seguem essa linha.

    Beijinhos
    Hear the Bells

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bel! Piis é. Eu tive um receio de ler esse depois de ver sobre qual era o tema, mas mesmo assim botei as caras no livro e gostei bastante!!

      Excluir
  16. Eu tô doida para ler esse livro mas como já passou um tempo desde o lançamento acho que minha vontade está meio que indo embora, haha. De qualquer forma, é um assunto que eu gosto bastante e apesar de estar um pouco saturada de bullying eu vi alguns comentários sobre o livro que me animada. Na minha época também não existia bullying mas sempre tinha aquele pessoal que gostava de zoar ou bater nos mais fracos e acho que é por isso que a gente pensa que é besteira ou vira a cara. Mas é um assunto sério que está presente no dia a dia de muitos jovens como a Piddy. Depois dessa resenha acho que fiquei mais a fim de ler. :P

    Beijos!
    http://www.prateleiracolorida.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, bia! Acontece isso comigo também. Quero tanto ler, mas depois de um tempo a vontade acaba indo embora. Que bom que agora vai dar uma chance para o livro!! Beijin...

      Excluir
  17. Oi Alana!

    Olha, eu realmente te entendo quando você diz que fica com o pé atrás com temas como esse. Sim, está super saturado no mercado, mas ainda assim eu gosto de ler. Eu também sofria bullying na escola, por causa do meu tamanho e porque eu SEMPRE tirava notas boas; na minha época (como se eu fosse muito velha kkkkk), ser inteligente não era bacana, sabe? Mas enfim... Esse livro chamou minha atenção desde a primeira vez que vi numa livraria em BH, pena que eu não tinha dinheiro para comprá-lo. Acho esse tema muito importante e acho que esse tipo de livro poderia ser uma daquelas leituras obrigatórias que a gente faz na escola, talvez mudasse a cabeça de muita gente.

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, Ana!
      Eu entendo, não era super inteligente e nem tirava notas boas sempre, era bem mediana, mas sofria bullying. Também concordo que livros nesse estilo devem ser leitura obrigatória!
      Beijin...

      Excluir