Resenha: Mundo Novo - Chris Weitz

29 de fev de 2016
Neste mundo novo, só restaram os adolescentes e a sobrevivência da humanidade está em suas mãos.

   Mundo Novo é o tipo de livro que você pensa: o que está acontecendo?!
   Descobri esse livro há algum tempo e tinha amado a capa, sou dessas ainda de amar capa, e fiquei curiosa pela leitura, pela maneira sugestiva que os personagens estão dispostos na capa. Eu não lembro se li a sinopse, na verdade nem gosto muito de fazer isso pelo simples motivo de que gosto das surpresas e certas sinopses acabam estragando tudo. Então eu comecei a fazer a leitura às cegas para o Desafio Literário, crendo ser este uma distopia.
   Engano. Uma coisa recorrente que vi por aí é que as pessoas estavam automaticamente colocando Mundo Novo como uma distopia; acho engraçado como tudo que parece ser do futuro próximo, ou que se passa numa realidade diferente, as pessoas automaticamente já relacionam a isso. Mas Mundo Novo não é uma distopia, é um livro Pós-Apocalíptico. Rico, interessante e reflexivo.
    Um vírus biológico alterado dizimou a população adulta e infantil, só os adolescentes restaram devido a um hormônio que só é produzido nessa idade, só isso os permitiu sobreviver. Nova York foi alterada e todo o cenário de antes não existe mais, animais selvagens correm a solta pelas ruas do Central Park. A Grand Station virou um enorme mercado e há gangues inimigas por toda a parte. Esqueça Netflix, Starbucks e qualquer coisa que você é viciado de Antes. Não existe mais isso. A vida não é mais a mesma e a sobrevivência da humanidade está nas mãos dos adolescentes remanescentes. Mas há anarquia, tribos perigosas e violentas, realidades diferentes e grotescas. Informações.
    Jeff e Donna, e quase todos os adolescentes dessa localidade, vivem nesse cenário. Crânio é o inteligente. Wash é o líder. Jefferson é o irmão contador de histórias. Após um ocorrido trágico, unidos a Minifu e Peter, eles são forçados a deixar a Washington Square, toda sua tribo, em busca da cura, encontrar respostas sobre o Ocorrido. Eles terão que desbravar um cenário novo, encontrar pistas e se infiltrar em tribos para sobreviver.  Enquanto isso, Jeff tenta criar coragem para se declarar para Donna, e ela luta para entender seus próprios sentimentos para com ele, afinal, conforme os dias passam, a adolescência vai ficando para trás e a Doença está cada vez mais próxima. O que eles tem a perder afinal!? Todo mundo está morrendo...
Além disso, quando o vi apagar... Talvez eu tenha problemas, talvez devesse perceber o quanto ele significa para mim, mas tudo em que consegui pensar foi que não havia nenhum sentido em amar uma pessoa quando você sabe que vai perdê-la logo mais. Talvez seja covardia. Não sei.
    Eu amei demais esse livro...

    Um fator bastante recorrente nesse livro e que me chamou a atenção logo de cara foi o sarcasmo que o autor empregou para os personagens. É sério, fiquei deslumbrada e alegre por isso, estava sentindo falta e a leitura veio em boa hora. Há muitas críticas sociais, questões existências e de religião para trazer reflexão ao leitor. Mas não pense que é só isso que trata, o livro é bem ágil, envolvente e eletrizante, conta com o ponto de vista de Jefferson e Donna, em capítulos intercalados; acho que duas perspectivas sobre as coisas sempre são melhores para encarar de uma maneira diferente determinadas situações.
    Nesse livro, composto pela maioria adolescente que está crescendo ou esperando morrer quando chegar aos dezoito, os adolescentes não tem pudor algum. Há palavrões, muita morte, acho que pela capa e as muitas armas que cada um está utilizando já mostra isso. A infinidade de armas e o conhecimento que os personagens tinham sobre elas era impactante. Tipo, tinha crianças de catorze anos atirando em todo mundo e fazendo muita maldade. Pode parecer algo meio que forçado ou surreal, mas se pensarmos bem não é. Um exemplo claro que me veio a mente foi a guerra civil na África, onde os grupos recrutavam crianças e as ensinavam a matar, empunhar armas, somente para serem usadas como soldados. Outro exemplo são os cartéis de drogas da Colômbia e de outros países sul-americanos. 
Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne um monstro.
     Se pensar bem é uma realidade triste, e o autor soube mesclar fatos que acontecem e aconteceram para trazer uma crítica sobre o assunto. Pelas resenhas que li por aí as pessoas focaram muito na questão pós apocalíptica e se condizia, o cenário e a ambientação, mas acho que Mundo Novo é muito mais que isso. O livro levanta questões que muitas vezes não são discutidas e são jogadas por debaixo do tapete.
    Há uma crítica social bem forte, muitos questionamentos sobre a vida de hoje que vivemos, o capitalismo em decorrência o consumismo, o que pode ou não ser levado em conta sobre o passado e o que poderia influenciar num futuro, não tão distante, destruído para as próximas gerações. É possível sim, um YA ter esse teor crítico e levantar questões relevantes sobre a sociedade, é só saber trabalhar isso.
    O livro é cheio de ação, tem muito tiro, muito mesmo. Os personagens são adoráveis, não no sentido fofo da palavra, porque na verdade cada um deles tem muitos problemas e são quebrados por tudo que aconteceu, mas sim, eles são ótimos e você acaba se afeiçoando  a cada um deles.  Sempre acontece de a gente leitor acaba desgostando de algum personagem principal, sempre achamos que são chatinhos e coisa e tal, mas eu amei todos os personagens principais. Acho que me afeiçoei mais a Minifu. 
   A ambientação do livro, a visualidade existente foi chocante para mim. Eu curti cada coisa! Sério mesmo. Teve uma cena em particular que me deixou super chocada e acredito que os leitores também reagiram da mesma maneira quanto a isso. Lembrei de um episódio de TWD na hora.
Bem, como é um livro que eu realmente gostei, fico sempre em dúvida se expressei com certeza tudo que poderia transmitir sobre a obra. Enfim, leiam e apreciem.
Nota: 4,5/ 5 - Favorito
Beijin....
*Créditos da Imagem: Palácio de Livros 

9 comentários:

  1. Oi, Alana! Tudo bem?

    Este livro é bem interessante e já está em minha prateleira de livros!
    Adorei sua resenha, muito bacana! \o/

    Beijos!

    Danny
    Irmãos Livreiros

    ResponderExcluir
  2. Oi, Alan!
    Ainda não li esse livro, mas, reparei que ele lembra um pouco Gone, do Michael Grant, com essa de só adolescentes vivos e tal. Tenho de ler os dois para saber se as semelhanças acabam por aí.
    Realmente essa capa é bem bonita.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio do livro Marianas | Porcelana - Financiamento Coletivo

    ResponderExcluir
  3. Ola, eu ouvi falar nessa serie de livros a um tempo atrás através de uma amiga que estava lendo, ela terminou e amou muito o livro, e desde entao estou bem curioso para le-lo.
    Eu também sou como você no quesito de sinopses, prefiro ler sem saber direito o enredo, procuro saber so por cima qual que é o tema.
    Adoro personagens sarcásticos e irônicos, com certeza acho que vou gostar desses também :3
    Gostei de saber que é mais do que so um livro de ação, ou so mais um pos-apocalítico e que é bem mais profundo nos seus temas.
    Com certeza estará nas minhas próximas leituras.
    xoxo

    planeta94.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá :)
    Já li diversos elogios sobre a série e as capas tem umas cores bem intensas, legal ter mais de um ponto de vista na história, e muito interessante o lance do vírus, adorei a resenha!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Fiquei com medo desses muitos tiros aí. hahaha

    Ps. Te indiquei para uma tag. Não sei se já respondeu, mas...
    Beijos,
    Postando Trechos - Tag

    ResponderExcluir
  6. Olá, Alana.
    Eu sou dessas que lê livro pela capa hehe. A ideia do livro me lembrou bastante Gone. Mas só a parte dos adolescentes porque esse parece ser bem mais forte. Vou anotar porque me interessou bastante.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Olá!

    Eu não conhecia o livro, mas fiquei bem curiosa depois da sua resenha. Adorei a capa também hahaha, e mais ainda o conteúdo que ele traz. Livros que trazem críticas e reflexões sobre a organização da sociedade me cativam, sempre. Irei adicionar na minha lista, obrigada pela dica!

    Beijos!

    http://apenasumaleitura.blogspot.com/
    ---
    Ah, está rolando resenha premiada lá no blog, do livro “O Andarilho Dewok”. Não deixa de participar! 
    Resenha: http://migre.me/t5KoE

    ResponderExcluir
  8. Oi
    gostei da premissa do livro, lembrou um pouco o enredo de uma série que assisto, mas os jovens morrem ao fazer ou é 21 ou 22, não me lembro faz tempinho que assisti e tudo vira um caos. A capa é bonita mesmo, gostei da resenha.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi, Alana! Tudo bem? Tinha bastante vontade de ler "Mundo Novo", mas sei lá... O tempo foi passando e a minha vontade diminuindo, mas agora depois da sua resenha eu fiquei (novamente) interessado em ler a obra! :)

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir