11 de jun de 2016

Resenha: A Rebelde do Deserto - Alwyn Hamilton

      Helloo, people... tudo numa nice?
  Hoje trago a resenha de um livro que eu estava ansiosa para conferir e que amei por um tempo, depois fiquei pensando táh meio bláh e por fim percebi que ao final não curti de verdade.
A Rebelde do Deserto # 1 | Autor: Alwin Hamilton | Ano: 2016
Páginas: 288 | Editora: Seguinte | Lido em: Junho de 2016 
O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher. Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele. Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por revelar a ela o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.
    Eu não vou contar a estória porque para isso tem a sinopse. Algumas resenhas falam muita coisa sobre os livros e acredito que isso acaba tirando as surpresas que o leitor poderia ter durante a leitura. Isso realmente me incomoda e me irritou diversas vezes quando conferi algumas por aí de uns livros que estava ansiosa para conferir porque fiquei sabendo metade do que acontece no livro e isso é chato. Só ficar curiosa para o final é sem graça.
Enfim, vou pontuar aqui somente algumas coisinhas.

   Eu estava lendo umas reviews desse livro no goodreads, vi esse gif por lá e pensei: nossa, isso está muito certo. Porque esse livro se trata de uma jornada pelo deserto em boa parte. Lembrei de Mojave logo de cara.  
   Algo que me incomodou um pouco foram as atitudes de Amani. Dizem que nós aprendemos com os erros, mas parece que ela não aprende. Machucou uma pessoa por sua imprudência e acabou machucando outra numa situação parecida. Ela poderia bem ter ajudado um certo personagem e evitado a morte de um outro. É sério, achei a morte de um personagem desnecessária. Tanta gente para morrer e a autora escolhe uma com uma estória realmente importante.
Era muito difícil confiar num garoto com um sorriso daqueles. Um sorriso que me dava vontade de acompanhá-lo até os lugares sobre os quais havia me contado, mas ao mesmo tempo me deixava certa de que eu não devia fazer isso.
   Nesse quote já pensei: não, por favor, que não seja romance instantâneo.

   Confesso que no início gostei de Amani, a personalidade dela é forte, uma garota em meio a uma sociedade que privilegia mais os homens e considera as mulheres puro objeto, se sobressaindo e tentando de tudo para conseguir encontrar seu lugar na sociedade e em busca do que realmente quer. Às vezes, confesso que para mim, essa situação se torna meio batida, quando não é trabalhada de forma coerente. Uma garota que teve os pais mortos e que está tentando se reerguer de alguma situação complicada. Mas a engenhosidade dela no início do livro me conquistou. No decorrer da estória, porém, achei que ela ficou um pouco egoísta. Eu não me importaria com isso se as coisas que escolhia não tivesse afetado personagens interessantes que gostei bastante e que eram amigos dela.

    Jin é um personagem interessante, é aquele tipo de personagem que a gente sabe que vai gostar logo de cara pelo jeito maroto. O problema para mim é quando a situação fica óbvia demais. Não tem como você ver uma pessoa uma única vez e já descrever tanto ela e achar isso e aquilo e blá blá blá. Mesmo que seja de fantasia, eu gosto muito desse gênero, mas que não seja tão fantasioso demais.

    O meu problema com esse livro foi essa questão. Achei fantasioso demais. Acredito que há um limite do possível nas estórias. E eu AMO livros de fantasia, é o meu gênero preferido.

     A meu ver, misturar o estilo de fantasia que já conhecemos com super poder não é tão viável e nem faz sentido. Fica meio sem sentido. Usar questões de deuses até vai, bruxas, eles sim tem capacidade de ter poderes, mas fora isso não faz sentido. E também já estou um pouco cansada desse plot de ter um personagem isolada que vivia sua vida num lugar distante, e sem nada e depois descobre que tem super poderes tipo arrasadores e é e também pode ser importante numa causa rebelde; já está meio batido, esse plot não teve muito efeito em mim. E todas revelações não me impressionaram. Acontece muito do tipo em fantasia e se não é bem trabalhado parece mais do mesmo. E nesse quesito de originalidade eu sou bem chata e exigente.

    Outra coisa que não funcionou para mim na estória foi a mistura de faroeste com a cultura árabe. Eu preciso dizer que a parte mais interessante do livro para mim foi o contexto inserido, a mitologia criada, eu gostei das lendas, eu curti muito as histórias criadas. Mas, eu acho que não combinou ter trem num livro de fantasia, aquelas armas de fogo e tals. As espadas são algo recorrente e normal, mas a misturada que a autora fez de diversas mitologias ficou sem nexo e não rolou. Pois é, tem salloon também, e todas aquelas coisas de faroeste misturado à cultura árabe.

Gente, eu assisti Azur e Asmar - que trata da cultura árabe - e curti bastante os seres mitológicos, as aves que pareciam grifos, a fada dos djins, mas o emaranhado de coisas inserido na estória não surtiu efeito algum em mim.   

  Os personagens se metiam em muitos problemas e algo que me incomodou foi que eles se metiam em situações perigosas, e eu ficava: eita cara, esse é um twist. Quero ver como o autor vai se sair dessa. Porque para criar uma situação chocante e complicada, no mínimo precisa ter algo mirabolante para e crível para nos deixar boquiaberto e pensando: what the hell?!  Mas durante alguma batalha daqui a pouco os personagens lembravam que estavam meio machucados e fracos e fazia com o que o confronto fosse mais "perigoso" e eles sempre sobreviviam. Tipo, no way. Acho que a autora colocava essa questão para fazer com que parecesse mais emocionante, o que para mim trouxe o efeito reverso. Pareceu irreal demais. Algumas situações apareciam simplesmente quando havia necessidade e me pareceu conveniente em situações que não deveria haver esse tipo de questão.
   Outra coisa que gostaria de ressaltar é a "batalha" que há no livro. Por essa obra ser narrada em primeira pessoa, acredito que há essa deficiência se vamos saber de certas coisas ou não quando está tendo um confronto propriamente dito. Considerando o gênero de fantasia, acredito que as batalhas são parte importante e deveriam ser bem descritas. Por exemplo, tem um momento do livro que a Amani apaga durante uma batalha e a gente não fica sabendo de muita coisa que aconteceu. Fica um pouco rápida e vaga essa parte. Foi algo que me incomodou em certo ponto. Mas não creio que cause tanto efeito assim a outros leitores. Eu só achei que poderia ser acrescentado mais a essa parte.
    
     O livro também é um pouco maçante, não tem muita ação no início, você só está conhecendo histórias. Para mim não foi tão cansativo quanto para outros leitores pode ser, mas só porque curto conhecer mitologias diferentes e não me importo com o contexto de historicidade que trazem.

    Eu tinha quase certeza que ia amar esse livro, ele estava pedindo para que eu gostasse dele, mas não rolou como deveria ou podia, e no início até que tudo estava indo bem e eu estava empolgada durante a leitura. Acho que muita gente, porém, vai gostar então leiam por si mesmos para tirarem suas conclusões. Muita gente gostou, funcionou para mim em partes e em outras não, portanto confiram. Eu só não pretendo conferir a sequência.

18 comentários:

  1. Oi, Alana!
    Que bad que o livro não funcionou. Realmente ele tem uma premissa bem interessante e até o cenário é diferente.
    Mirmã, olha... Eu também me espanto com as besteiras que escrevo hahahahaha Não tenho filtro entre o cérebro e os dedos hahahha
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Oi, Alana.
    Com todas essas ressalvas confesso que vou passar bem longe desse livro rsrs...
    Inicialmente, achei que seria um livro bastante interessante, pois, o fato de se passar em um deserto meio que me atraiu, porém, esse enredo maçante me desanimou em muito.
    Mas, quem sabe eu siga seu conselho e leia pra tirar minha própria conclusão.
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Alana, amei ler sua resenha, tenho lido muitos elogios, e ler sua resenha me deu outra perspectiva do que poderia encontrar, se achou por vezes maçante, pode ser que eu ache também.. :(
    Seu blog é lindo!! Parabéns!

    Beijos Mila
    Daily of Books

    ResponderExcluir
  4. Olá, Alana.
    Eu tem umas resenhas que acho que contam demais e tem outras que acham que contam de menos e eu acabo nem me interessando pelo livro por causa disso. Que pena que o livro não funcionou tanto para você, mas ainda pretendo ler. E por isso que não gosto de narrativa em primeira pessoa, prefiro ter o olhar de fora da história hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Mas moça, o livro é de fantasia, vai ser fantasioso!
    Eu amei a trama e estou louca, louuuuuuuuca pra ler!
    Beijão, Mari Scotti

    ResponderExcluir
  6. Interessantíssimo isso tudo que li!
    Acabei de ver uma resenha dessa obra uw e fez colocá -la na lista de desejados, mas sua perspectiva deixou um ponto de interrogação na minha escolha hahahaha
    Gosto de fantasia, mas não muito. Não tenho TANTA paciência para viagens malucas em excesso e isso me desanimou im pouco.
    Outra questão é a de ser narrado em primeira pessoa e tão ter a profundidade necessária. Isso provavelmente me incomodaria tb.
    De qualquer forma, sua resenha foi ótima para baixar minha expectativa. Vou pesquisar mais sobre a obra, antes de comprá -la! Valeu.

    >> Vida Complicada <<

    ResponderExcluir
  7. Oi Alana,
    Que pena que o livro não foi o que você esperava.
    Desde que esse livro saiu, eu estou pensando se leio ou não, até agora não me decidi rsrs. Por enquanto vou pegando alguns mais urgentes, mas provavelmente irei dar uma oportunidade para o livro já que eu adoro fantasias.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Twitter

    ResponderExcluir
  8. Oi , Alana...
    Sua resenha é a segunda que leio sobre esse livro e as duas me deixaram naquela indecisão hahha.
    Mas a capa do livro está tão linda que tenho vontade de comprar só por isso kkkk.
    Beijo

    Te Conto Poesia ♥

    ResponderExcluir
  9. Oiii Alana, tudo bem?
    Eu fiquei bem apaixonada pela obra, gostei muito da sua resenha aliás, e pelo que sei e vi esse livro tem continuação, que tristeza hauahuaahua então preciso te dizer que esperarei sair todos para então realizar a leitura, além do mais sua resenha está maravilhosa.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Oi Alana!
    Amei sua resenha e me apaixonei pelo livro, através das suas palavras. Parece ser um livro bem envolvente. Ainda não li nada sobre essa temática, mas parece ser muito bom e assim como vc, também gosto de mocinhas bem resolvidas e destemidas, e sabendo que essa é eximia em tiro, já fico imaginado o quanto o enredo surpreende!
    bj

    ResponderExcluir
  11. OLá Alana,
    vou confessar para você que livros de fantasia não são meu gênero favorito e dificilmente leio um livro assim, sem ser uma boa indicação. Adorei sua resenha por ter sido sincera e se fosse para ler, acho que pularia pelo menos por um tempo.
    Beijos,
    www.embarcandonaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Alana! :)
    Tenho visto muita gente falando super a respeito de A Rebelde do Deserto e estou muito curiosa a respeito dele. Acho que essa foi a primeira resenha "negativa" que li a respeito dele e achei seus comentários bem pontuados.
    Acho o enredo pouco original, não vou mentir, e não sabia dessa história toda de poderes e tal. O que me chama atenção é a protagonista justamente por ter personalidade forte (e eu não suporto mocinhas indefesas e frágeis) e é o que me faz querer conhecer a história.
    Já vou preparada, sabendo o que me espera. Espero poder aproveitar a história e, se não gostar taaaanto, que seja ao menos uma leitura proveitosa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Eu não vejo nada demais em resenhar que contam um pouco da história, mas pouco! Algumas sinopses não falam quase nada, e isso frustra na hora de querer ler a obra. Cansei de ler resenhar e querer ler a obra porque o "resumo"+opinião me empolgou.
    Li uma resenha mais positiva, então ler a sua me deixou mais curiosa para conferir a obra e descobrir qual vai ser a minha.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  14. Olá! Que pena que o livro realmente não funcionou para você. Eu já não curto fantasia e, apesar de me interessar pela cultura e histórias árabes, não curtiria isso misturado a faroeste. Gostei da parte em que a mocinha é uma personagem forte, apesar de você não ter concordado com algumas atitudes dela. Parece ser bem à frente do tempo e das ideias da sociedade onde está inserida.
    Beijos!

    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Vamos lá então, explicar meu comentário, Alana.
    Você pegou um livro claramente de fantasia para ler e resenhar e reclamou que é fantasioso demais. Pra mim, se o gênero já é fantasia, eu PRECISO esperar, no mínimo, uma trama fantástica, com elementos fantásticos, com nuances fantásticas, criaturas míticas, ainda mais se tratando de uma história que se passa no deserto Árabe.
    Então eu comentei o óbvio: é fantasia.
    Estou enlouquecida pra ler e conhecer esse livro, porque saber que tem mais do que apenas gênios da lâmpada e uma fantasia muito bem elaborada, me deixam cada vez mais ansiosa por ler.
    Beijão!
    Mari Scotti

    ResponderExcluir
  16. Oi Alna, tudo bem?? Eu não sou fã de fantasia e talvez por isso tenha funcionado bem pra mim, não ser tão exigente quanto você! Eu achei bem original e a história conseguiu me prender do início ao fim. Com relação a resenhas falarem muito sobre o enredo, eu particularmente faço isso sem dar spoilers, quando vejo resenhas muito resumidas acabo não me interessando tanto no livro. Acho que a sinopse não passa um terço do que uma resenha pode passar e acabar chamando a atenção do leitor! Que pena que não rolou pra você, eu pretendo continuar a trilogia sim! Bjinhossss


    http://porredelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Oi Alana!
    Gostei de como você foi pontuando na sua resenha, os pontos negativos que te fizeram não gostar tanto assim da leitura.
    Eu tenho problema com livros de fantasia, livros fantasiosos assim então, acho que passo esse rsrs
    Beijo

    ResponderExcluir
  18. Oi Alana,

    Quero ler esse livro para sair um pouco dos americanos e europeus. Confesso que não leio muitos livros árabes, então pensei que seria uma boa ideia. Esse me chamou a atenção pela capa e resenhas gringas e por aqui tudo tá bem dividido. Vamos ver se quando tiver o livros em mãos e ler, eu goste. por enquanto quero ler sim. =)

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir

Alana Gabriela - créditos

Tema Base por Butlariz