9 de set de 2016

Resenha de Filme | Ben Hur

Sinopse: É a história épica de Judah Ben-Hur, um príncipe falsamente acusado de traição por seu irmão adotivo Messala, um oficial do exército romano. Destituído de seu título, afastado de sua família e da mulher amada, Judah é forçado à escravidão. Depois de muitos anos no mar, Judah retorna à sua pátria em busca de vingança.
Helloo, people, everybody...
Hoje eu venho trazer para vocês a resenha de um filme que fui assistir essa semana. Eu não vou falar sobre a história porque seria redundante, todo mundo já conhece eu acho, e se não, tem a sinopse acima. Não vou deixar o texto maior do que já está!
    Indo contra todos os meus preceitos fui assistir a um filme dublado. Vocês já devem conhecer a minha política de não ver filmes dessa forma pelos motivos de que eu faço leitura labial - não consigo evitar - e no geral os dubladores não combinam com a personalidade do ator ou coisa parecida. De qualquer maneira era o aniversário de amiga mainha então eu tive que ir. Meus pais queriam assistir Ben Hur e como eu nunca assisti nada sobre – acreditem, eu nunca assisti a primeira versão de 59 e nem vi a minissérie que tem aí – me vi interessada. Eu não tinha visto o trailer também, mas fui ainda assim. As vezes eu gosto de assistir coisas as cegas – bem como gosto de ler às cegas.
    Enfim, confesso que o filme entregou muito mais do que eu esperava. Não estava com expectativas, só fui assistir. Os efeitos especias foram bem produzidos, o cenário encantador me encheu os olhos com aquelas casas geminadas de pedra e todo o morro que representa a Jerusalém do filme com as destruições de outros lugares e cemitérios. As cenas de ação com as bigas me encheram os olhos, com adrenalina e emoção até o fim.
     Mas eu preciso confessar aqui que o início do filme algumas cenas e atuações me incomodaram um pouco – sou exigente demais com atuação que não soa natural ou com falas manjadas  –  mas que foram sanadas no decorrer da história. Por exemplo, eu detesto clichê e vi uma cena que me fez revirar os olhos porque sou chatinha, mas nada que comprometa o filme. De qualquer maneira a adaptação ganhou uma carga mais interessante e perigosa com o desenvolver das ações e me deixou bastante interessada.
    No entanto, o que de verdade eu quero trazer aqui é o meu ponto de vista contra as opiniões dos críticos – que infelizmente acabam influenciando para mal como foi o caso de Warcraft – e de algumas pessoas que foram assistir ao filme pensando em ver uma adaptação FIEL ao primeiro filme de 59.
    Quer dizer que ganhar estatuetas faz com que o filme seja bom? Não acredito nisso. Ir a uma sala de cinema para apreciar um filme com a mente - intragável - fechadinha no clássico épico antecessor e com todos as prerrogativas para fazer comparações e esperar ver algo semelhante é de uma ingenuidade tremenda e, como quero acrescentar, risível. Se estavam esperando ver algo igual ao clássico de 59 porque não foram rever ao filme de 59? Porque não assistiram de novo? Para mim, é a mesma coisa dos leitores que sempre reclamam de adaptações do livros. O gênero literário é diferente do gênero cinematográfico. Há recursos diferentes nos dois estilos que um pode ou não aproveitar. Mas estamos falando aqui de verdade é da comparação entre filmes o que já é pior.
    Eu sempre separei filme de livros. Assisti a vários e li algumas obras adaptadas e não me incomodei. Eu particularmente não gosto de ver algo que já vi. E separo os dois gêneros sem problemas.
    Parece que quando um critica de forma negativa um filme, todos os outros críticos seguem a moda. A crítica se desconstruiu e se comprometeu – quase todas as negativas que li (também há positivas e outras resenhas coerentes como essa) falavam a mesma coisa, parecia que tinham até combinado e nem sei de verdade se viram ao mesmo filme que muitos telespectadores viram – quando diz que não se pode comparar as duas adaptações e mesmo assim o faz sem restrições. Os críticos massacraram o filme comparando ao antecessor, sem reservas e restrições, outras pessoas também que assistiram fizeram o mesmo, no geral, as mesmas que viram o primeiro e compararam, mas também teve muita gente que separou os dois e gostou do filme mesmo aqueles que viram a adaptação de 59. Eu particularmente curti o filme e é um bom entretenimento e mesmo que tivesse assistido ao primeiro eu não faria essas comparações.    
    Hoje venho dizer que esse foi um filme superestimado como No Coração do Mar (resenha AQUI) que teve uma bilheteria inferior ao seu orçamento e ainda assim considerei uma boa adaptação que me levou a várias emoções durante o longa.
    Mas eu não quero só falar da minha frustração com os críticos, porque quero trazer pontos no filme que me encheram os olhos.
   A cena das galés de escravos tão bem produzida! Esses dias estava explicando um pouco de história para minha mãe e ver a produção diante dos olhos foi bem revigorante e construtivo. Ela até disse: Olha, Alana, o que você me falou outro dia. A retratação das condições subumanas que os escravos eram submetidos foi coerente e precisa.
     Eu também gostei de ver retratada a política de Pão e Circo – como ficou conhecia o modo com o qual os líderes romanos lidavam com a população para mantê-la fiel à ordem estabelecida e conquistar apoio. Uma população que só se preocupava com alimente e divertimento. Eu AMO História, então essa parte com certeza me encheu os olhos.
     Quero ressaltar aqui a atuação de Morgan Arrasador Freeman como o Sheik IIderim. Ele sempre desempenha papeis excelentes, mesmo não sendo o protagonista deste, ainda rouba a cena e me proporcionou várias emoções. Eu queria abraçá-lo. Esse jeitão dele de mentor com voz grave de sabedoria sempre arrasa ahaha!
A película também conta com Santoro como Jesus. Gente, o Variety disse que Rodrigo destoa dos outros atores porque ele é bonito demais como Jesus ehehehe. Que é isso?? kkkkkkkk. Também temos o Jack Huston - lindeza - como Ben Hur e Toby Kebbell – de o Príncipe da Persia – como Messala.

Aí está o cara que, segundo o Variety, destoa do elenco haahaha

A corrida das bigas não pecou e foi verdadeiramente um show a parte. De ação e emoção.
    O filme traz várias mensagens boas e importantes e uma delas é o perdão. O elenco é interessante, mas em certos momentos eu não consegui sentir emoções genuínas nas cenas mais dramáticas. Mas no geral e como o esperado, Santoro e Freeman entregam tudo e suplantam outras atuações mais modestas.   
   Acredito que esse filme deve ser assistido sem muitas pretensões e sem as comparações para que você realmente o enquadre numa filme bom e curta. Eu até me surpreendi com quanto gostei. Nesse filme há tantos pontos positivos quanto negativos, basta observar. Então tire suas próprias conclusões acerca - sem preconceitos - e viaje para a Roma das arenas sem sair da cadeira. Eu super recomendo!

Veja o trailer aí (infelizmente dublado, eu não encontrei o legendado, mas enfim...):

6 comentários:

  1. Olá, Alana.
    Não sou muito de assistir filmes, por isso quando vou assistir não ligo muito para criticas que o filme tenham tido, nem positivas, nem negativas. Até porque já assisti filmes que todo mundo odiou e amei e vice-versa. Eu não assisti a outra versão, conheço a história por causa do livro que gostei muito. Mas quero ver esse sim. Então quer dizer que Jesus era feio? hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Bom, eu mal sei o que é Ben Hur, então não seria uma das pessoas que comparam o clássico com o atual. Concordo com você que os críticos geralmente usam uma base de comparação, principalmente os de certos sites que se julgam profissionais.

    Eu ainda não vi o filme como acho que deu para perceber e não sei se pretendo ver, contudo algumas poucas coisas me causam curiosidade, quem sabe mais para frente :)

    ResponderExcluir
  3. Oiii Alana, como vai?
    Menina eu to louca pra assistir esse filme que você nem imagina, mas como eu tenho o livro quero ver se leio antes de assistir, dica super anotada.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu aaaamo assistir filmes, mas esse é um filme que em nada me chama a atenção. É a cara da minha mãe assistir esse tipo de filme, mas no meu caso, passo a dica.
    Fico feliz de saber que você curtiu mais do que esperava!
    Ótima análise!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Ah eu quero assistir!!! Ouvi dizer que ficou muito bom. Um filme que mostre e enfatize o perdão é algo que tem que ser assistido, não sabia que fala um pouco desse tema. To curiosa para assistir. espero gostar.
    Bjss

    http://livrosemarshmallows.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Tenho visto fotos de Ben Hur por ai, mas acredita que nunca tinha lido a sinopse ou visto o trailer?
    Gente.. nem sabia sobre a primeira versão e nem a série kkkkkk.
    Eu já gosto de clichê e sou péssima para fazer análise de atuação e essas coisas kkk, a premissa do filme me deixou curiosa e saber que traz mensagens importantes me anima.
    Não vou poder fazer comparação porque nem assisti a primeira versão, mas também não vou com muitas expectativas. Mas espero gostar do filme.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Alana Gabriela - créditos

Tema Base por Butlariz