14 de dez de 2016

Semanário: Dilemas e delírios de uma Escritora

     Helloo, folks.. tudo numa nice?!
  Today eu vim trazer conversar com vocês sobre alguns projetos que comecei esse ano e vou publicar e outros que não terminei e a minha vida de escritora.
Quem acompanha o meu face já deve estar sabendo que 2016 foi um ano meio crítico para mim. Desde que comecei e entrei no mundo dos livros e da escrita em 2013 sempre agi e escrevi – não por querer, simplesmente acontecia – como uma máquina. Sério. Vocês precisam ver e ouvir como eu digito super rápido - minhas irmãs e minha mãe e toda pessoa que me vê escrevendo fica agoniada. E isso se dá porque eu tento acompanhar os pensamentos e as cenas que surgem na minha mente.
   Em 2013 eu escrevi 3 livros apenas. Trabelhei quase cinco meses em EFEITO DOMINÓ o meu primeiro livro e depois comecei a trabalhar numa nova estória, uma distopia que se passa no Brasil e logo em seguida, comecei a trabalhar em um livro histórico que também se passa no Brasil, mas na década de 20 porque eu adoro História.
   Então, no meu primeiro ano de escrita eu escrevi pouco e corrigi algumas vezes os meus textos. Foi a minha primeira experiência e eu estava apenas aprendendo. Em 2014, porém eu deslanchei. Acho que escrevi uns dez livros. Sério, gente. Eu estava tão sem controle que cheguei a escrever um livro em 24 horas. Esse livro é pequeno tem 188 páginas e é um romance em primeira pessoa, portanto é mais rápido de escrever - e sempre uso isso como justificativa. A questão é que eu estava ficando muito tempo em casa, fechada no meu mundo, e nesse tempo até enfrentei umas crises emocionais depois que minha avó morreu... Bem, em consequência escrevi um livro EXTREMAMENTE triste. Essa obra se chama As Canções Secretas de Gris Dahlia – acho que esse  é um livro triste porque explorei e joguei toda a minha instabilidade emocional nas páginas do livro.
   Quem ainda não sabe, também sou compositora e a música começou primeiro na minha vida. Sempre escrevi, toquei e cantei as minhas canções. Talvez eu poste aqui uma ou outra. Ou seja, nesse livro triste, eu mesma escrevi as canções segundo as minhas emoções do momento e ouvia músicas tão deprês quanto.
   Num dado momento de 2014 eu fui escrever uma estória de terror porque me deu vontade visto que eu escrevo estórias e não gêneros e gosto de explorar os universos que se mostram na minha mente e onde podem me levar, e eu decidi que porque estava muito reclusa, escrevendo demais e sem controle, decidi escrever esse livro ainda assim e demorar o tempo que fosse preciso. Acredito que se eu não tivesse tomado essa decisão, eu teria sido mais rápida, demorei cerca de um mês para terminar Os Segredos de Afternoon Fall. Eu estava tentando a todo momento ser comedida; e haiva dias que eu não escrevia nada e pensava - vou dar uma pausa hoje porque preciso sair da minha toca. Por escrever tanto meu amigo até considerou que eu tinha hipergrafia ahaha, mas eu descartei a hipótese. *-*
   E eu estou dizendo isso tupo porque em 2015 não foi bem assim. As coisas foram completamente o oposto. Escrevi poucas obras, como por exemplo, Histórias em Retalhos, mas me foquei mais em revisar todas as estórias que eu tinha escrito até ali, comecei alguns projetos, com certeza, mas me foquei na revisão minuciosa de A Estranha Mente de Seth porque seria meu primeiro livro físico e eu sou super paranoica e perfeccionista, mesmo já tendo enviado para um revisor. Enfim, em 2015 eu perdi o meu ritmo de escrita e escrevi muito pouco – acho que só dois livros completos e pequenos –  em comparação a 2014 - que fioquei vagal for life em casa porque não passei na federal e tive que estudar para o ENEM  de novo.
   Falando assim parece uma jornada de muitos anos, né não? Mas para mim é como se fosse.
   Além disso passei por algo muito pior: bloqueio de escrita. Não bloqueio criativo porque ideias para novos livros e cenas e tudo o mais eu tinha aos montes e toda hora - até sonhando. Aconteceu que eu estava começando as estórias e num dado momento, quando chegava na metade ou coisa parecida as palavras me faltavam. E eu retornava para ler e era como se eu sentisse que não estivesse fazendo direito – apesar de eu ter certeza que estava fazendo certo. Eu lia capítulos anteriores e achava que faltava alguma coisa e as palavras não me agravam e eu comecei a deixar de escanteio por um tempo, para refrescar a mente e logo retornar para a obra. De alguma forma eu precisava me afastar um pouco da estória para espairecer.
   O problema é que não dá para brincar com a minha mente porque ela não para. Então quando vinha o bloqueio para uma estória  vinha imagens de outras estórias e eu começava a planejar e a escrever e depois de um tempo o bloqueio retornava para essa nova estória e tudo se tornou um ciclo vicioso terrível.    
Essa é a lista dos livros que eu comecei, mas ainda não terminei:
Perdidos em Wies - Fantasia (2015)
A Escolha de Mausi – uma das minhas estórias favoritas porque é uma tragédia (2015)
A Garota dos Cabelos Selvagens  - Roamnce Histórico (2015)
As Memórias de Lana - Infantil (2014)
Broken - Os Retalhos de Jane e Ezra - Jovem Adulto (2015)
The Hollow House of the Village - Terror (2014)
Paper Heart - Jovem Adulto (2016)
As Crônicas das Irmãs Albuquerque - Infanto-juvenil (2014)
Era Uma Vez - O Rei sem Sombra (2016)
Estrada de Inverno - Jovem Adulto (2015)
Nômade - Pós Apocalíptico (2016)
Reino Escondido – A Porta Secreta e as Três Chaves - Fantasia Infantil (2016)
Self Destruction - Jovem Aduto (2016)
Sobreviventes - Distopia (2015)
     Viram com o que eu tenho que lidar todo o dia? Com a minha mente confusa e ininterrupta.
  Para vocês terem uma ideia, comecei Flor de Cerejeira em dezembro de 2015 e estava empolgada com a estória; tinha escrito quase a metade até as festas de natal e depois disso, das viagens, eu parei de escrever, mas quando retomei - na verdade tentei - não estava mais conseguindo. Foi um trabalho árduo e terrível conseguir terminar a estória. Sou muito exigente comigo mesma e estava me perdendo nisso tudo, na minha improdutividade. Em alguns momentos eu chorava porque queria parar de ter novas ideias para conseguir terminar as outras e não conseguia. Foram meses sufcantes que eu passei. E foi enfim em maio ou no final de abril que eu consegui terminar Flor de Cerejeira.
   De lá para cá eu comecei a trabalhar em Nômade em março – um pós apocalíptio que eu adoro, mas não terminei ainda – Self Destruction, Era uma Vez, Perdidos em Wies e A Escolha de Mausi. Não terminei nenhum desses ainda, mas estou tentando.
   A grande notícia é que eu em setembro e novembro desse ano consegui escrever dois livros de fantasia e TERMINÁ-LOS. Sim, eu os terminei.
Tormenta e Alvorecer - de mitologia e folclore árabe - e Coroa de Ferro e Trono de Espinhos - meio que uma releitura de A Bela e a Fera, Aquiles e Édipo Rei.
   Mas como esse post já está enorme, vou conversar com vocês sobre essas estórias num próximo post de semanário, pessoas. Por hoje é só!
Eu simplesmente senti vontade compartilhar isso com vocês. Os meus delírios, angústias e dilemas.

Bem, esse é o poema que eu fiz quando minha avó morreu e coloquei no livro Histórias em Retalhos. Não é como os da escola que a gente precisa interpretar. Esse está bem explícito e conta toda uma estória. É um poema narrativo. Espero que gostem.
- A MORTE NÃO FAZ EXIGÊNCIAS -
Sou eu aqui de novo
 perdido em meus pensamentos loucos,
no meu recôndito me dissolvo
em saudade e angústia.
 Me desfaleço em pedaços
ergo o estandarte de luto,
pois minha mente não tem se poupado
e só tenho chorado amargos murmúrios.
 Oh, minha querida Genésia
como tenho ansiado pela amnésia!
Perdoe-me, mas a dor que me cerca
tem me feito morrer
em detrimento de te perder.
 Como seria mais fácil esquecer,
mas o sofrimento me faz escrever as minhas queixas plangentes
sobre o seu riso contente quando era vivente
o brilho do seu ser.
 A sua luta, o seu corpo velado, o cenho pálido
e os olhos que se fecharam pelo árduo e sufocante trabalho
naquela madrugada de sábado.
 Oh, que triste dia aquele que descobristes
que eras uma hospedeira e por tantos meses viveu a beira
e a mercê da sorte, entre a vida e a morte!
 Compelida pelo desígnio do suplício,
por um tumor maligno e só agora vejo que a morte te engoliu.
Sem exigências!
XO XO

24 comentários:

  1. Olá, tudo bem?

    Poema lindo, lindo de verdade!!

    Beijos,
    https://teattimee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Alana!
    Mulher, eu já te disse que tu és uma máquina né? Queria ter pelo menos 1% dessa sua disposição e criatividade! Sabe que sempre pode contar comigo para cobaia dos seus livros hahhahahha
    Adorei o seu poema.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Promoção Natal Literário
    Participe do Sorteio de Fim de Ano
    Participe da promoção três anos de Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  3. Olá, Alana.
    Menina como você consegue? hehe. Um livro em 24 horas não é para qualquer um não hehe. Dá para perceber que você gosta de escrever mesmo, pelas postagens hehe. Mas acho que isso é algo bom, olhando por um lado, mas por outro, se está te fazendo mal, não é tão bom assim. Mas espero que você consiga conciliar isso e escreva muita coisa boa para gente ler hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi
    menina você não para em, muitos livros escritos, sua mente deve ficar a todo vapor, espero que consiga conciliar as coisas, ainda quero ler aquele livro da provinha que me mandou esse ano.

    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, Alana

    Uma outra vez você já tinha comentado que tinha escrito um livro em 24 horas. Mesmo que ele tenha 188 páginas: não é possível, você é tipo no ordinary people...só pode ser! Acho que eu não sobreviveria um dia dentro da sua cabeça sem surtar! hahahaha
    Espero que consiga terminar os livros e que 2017 renda bastante!
    E o poema é lindo, parabéns!

    Beijo
    - Tami
    Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir
  6. Oiee ^^
    Primeiramente: um livro em 24h? OMG *-*
    Eu fiquei mega curiosa para ler alguns dos títulos que você mencionou (às vezes tenho vontade de ler um livro só pelo título...hehe'), mas "Tormenta e Alvorecer" parece ser incrivelmente incrível! Acho que eu nunca li nada sobre a mitologia árabe, então fiquei mega curiosa para conhecer. Seu poema ficou lindo, mas é de partir o coração :/
    MilkMilks ♥
    Milkshake de Palavras

    ResponderExcluir
  7. Olá, Sra 25 horas! rs
    Eu espero que entre as brigas com sua mente, tu termine, comece Efeito Dominó 2, estou cá esperando!
    E o poema melancólico, triste é lindo! Uma bela homenagem!
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi! Eu acho muito legal esse negócio de escrever. Acho maravilhoso o trabalho que os autores que estão crescendo hoje em dia no Brasil conseguem desenvolver. Eu tenho o projeto de escrever um livro também, mas ele ainda não saiu do papel. Quem sabe um dia?
    Além disso, eu ainda não estou apta para escrever, preciso melhorar muito. Fico muito feliz que tenha conquistado tudo isso em pouco tempo.
    Beijo! https://leitoraencantada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oie
    Tudo bom?
    Nossa mas você tem material escrito aí pra anos de divulgação. Não se cobre muito, que isso te faz travar na escrita.
    Adorei o poema.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oie!
    Não deixe de finalizar esses trabalhos e publicar, menina! Tenho certeza que aí tem muitas histórias que precisam ser contadas. Umas pessoa tão criativa precisa compartilhar suas histórias com a gente!
    Bjs e sucesso!

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem por aí?

    Menina, pelo o que você disse, você é uma máquina mesmo. Eu também adoro escrever histórias, poemas... Mas eu não escrevo com tanta rapidez assim, a não ser que eu esteja bem inspirado. Um poema eu até escrevo rápido, mas uma história inteira leva bastante tempo. Eu sou bem perfeccionista e sempre acho que algo não está 100% bom e fico relendo e mudando umas coisas até encontrar a "perfeição" para mim. É tão bom escrever, não é? Eu também adoro desenhar! Enfim, parabéns pelo seu dom!

    Beijos!
    www.acampamentodaleitura.com

    ResponderExcluir
  12. Menina como você já escreveu muita coisa!!! into que não tinha lido nada seu, mas eu quero ler algo em breve viu??

    Sobre seu bloqueio de escrita eu acho que é uma coisa muito chata né? ter tudo em sua mente e não conseguir colocar as palavras certas no papel e começar a se questionar tudo que já tinha escrito. Deve ser uma coisa que nenhum escritor que realmente passar.

    Desejo muita luz e sorte em seu caminho tá?

    Beijos

    ResponderExcluir

  13. Nossa quantas histórias você começou e esse bloqueio não te deixou terminar. Mente de escritor é assim mesmo, as vezes você tá pensando em uma história e aparece outra do nada para lhe atrapalhar. O poema que você escreveu está muito bem desenvolvido, podemos ouvir verdades em suas palavras é como estar no mesmo momento que o poema passa ou que foi escrito.

    ResponderExcluir
  14. Oi Alana,
    Você me parece uma máquina de escrever com uma mente fervilhante e repletas de ideias o tempo todo não é?
    Gostei muito da sua postagem e entendo o seu bloqueio para escrever. Eu já me senti assim com relação a redações. Você parece ser, também, uma pessoa que migra muito bem entre gêneros e isso é muito legal.
    Adorei ler sua postagem e a poesia que escreveu sobre sua avó é emocionante.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Amei o relato. Eu amo escrever, mas sou muito escritora de gaveta, gosto de escrever para mim, cenas, contos, poemas, textos, qualquer coisa como forma de expressão e colocar as ideias no papel pra acalmar a mente que fica, como você disse, trabalhando o tempo todo. Sobre os livros não terminados, eu diria para você não ter "medo" de não terminá-los. Se vier a inspiração, você trabalha neles. Se não vier, são projetos que te ajudaram a crescer como escritora e contribuíram para futuros trabalhos que serão terminados.
    Beijos,

    Luana
    Ps. amei o poema para sua avó!

    ResponderExcluir
  16. Ual, que legal você conseguir escrever tão rápido assim, eu escrevo rápido também mas com o tempo vou perdendo o ritmo e não consigo mais escrever, me canso, não se sei irei um dia conseguir alguma estória, tenho várias inacabaas

    ResponderExcluir
  17. Esses tumores silenciosos são de cortar o coração, não que lutar contra eles seja fácil, mas quando a pessoa descobre muito tarde é ainda pior. :( Sinto muito pela sua avó. Agora para tudo, menina, quantos livros, quantas histórias pra terminar! Deve ser muito louco viver dentro da sua cabeça, acho o máximo quem consegue ter tantas idéias assim, mas ao mesmo tempo deve ser desesperador! Espero que consiga completar os projetos com tranquilidade, respira fundo aí! Ah, você deve ser agitada, né, eu fazia uma meditação do Osho no teatro que meu diretor dizia se chamar Kundalini, tem quatro etapas e de repente te ajuda, duas são bem agitadas, gasta energia horrores, duas são bem paradas, mas devem te ajudar a se focar. É bem legal, só uma ideia... Rs...

    ResponderExcluir
  18. Nem sei como começar esse comentário porque quero te dizer tanta coisa que as ideias até se embaralham. Primeiro, sinto muito pela perda da sua avó. É realmente difícil se despedir de alguém querido, principalmente num caso como o seu, quando a doença é silenciosa e a gente nem espera.
    Segundo, parabéns pelo seu ritmo de escrita. Eu te entendo sobre a mente incansável, que sempre tem ideias novas, mas não espera que nós as desenvolvemos. Mesmo assim, você parece ser ainda mais inquieta.
    Confesso que estou até com invejinha.
    Sim, tenho muitos livros que parei e nunca acabei. Mas eu simplesmente não consigo voltar para eles. Apenas um eu ainda escrevo e sim, é difícil, ás vezes quase impossível.
    Espero que você consiga terminar seus livros, um de cada vez. E que sua mente se aquiete um pouco, mas só um pouco, pois ideias são sempre bem vindas.
    Bjs, Mila

    http://a-viagem-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Ah, comentando de novo porque eu esqueci... Seu poema é lindo. É admirável o quanto você é talentoso. Escreve gêneros diferentes, poemas e ainda compõe musica. Uau! É muita coisa.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  20. Olá!

    Eu não sei por que, mas estou com sensação de que o seu dia tem muito mais que 24 horas. Mulher Maravilha deve estar com inveja de você e eu estou me sentindo uma procrastinadora. hahaha Sério mesmo que escreveu um livro em 24 horas? Caramba!Parabéns!
    Desejo que 2017 seja ainda mais produtivo que 2016, se é que isso é possível e que você consiga concluir todos os projetos que iniciar.

    Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
  21. Pelo visto procrastinar não está incluso no seu vocabulário. Você é uma pessoa que produz muito e pelo pouco que li, tem muita coisa boa. Gostei muito do seu poema ♥
    P.S.: Quero Sobreviventes logo,viu? Amo distopias.

    ResponderExcluir
  22. Oi, tudo bem?
    Nossa você tem muitas obras heim? gostei muito de ver seu post e de conhecer mais de suas obras, vou ficar no aguardo de ler um livro ao todo heim? e seu poema está lindo!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  23. Molier, são muitos projetos e me interessei por quase todos. Espero que 2017 te dê o gaz necessário pra concluir todos.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Oi, minha flor! Você é incrível! Tem um dom e espero, sinceramente, que consiga realizar seus planos de concluir tão boas histórias já iniciadas. :) Eu preciso me desculpar com você. Sou uma das blogueiras que teve a alegria de receber o e-book de A Estranha Mente de Seth. Comecei a lê-lo, mas meu ano foi muito atropelado e precisei abandonar até mesmo o blog. Mudei-me de casa, mudei minha vida profissional e tive, ainda, mudanças familiares. Foi uma bola de neve. Agora pretendo colocar a agenda de leituras em ordem, claro que vou concluir a leitura de seu livro e honrar meu compromisso de publicar a resenha. Na ocasião, avisarei você.
    Parabéns por seus planos literários! Desejo que 2017 seja um ano muito especial para você, flor.

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir

Alana Gabriela - créditos

Tema Base por Butlariz